0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×

Recentemente, Mike Shinoda concedeu entrevistas para as estações de rádio KROQ e Alt 98.7 FM para falar sobre o seu primeiro álbum solo chamado “Post Traumatic“, sua carreira solo e sobre o futuro do Linkin Park. No dia seguinte, ele fez uma live em seu instagram falando sobre alguns desses mesmos assuntos e fazendo uma espécie de “perguntas e respostas” com os fãs. Você pode conferir o resumo disso tudo abaixo:

Resumo da entrevista na rádio KROQ:

– Todos clamavam para conseguir os ingressos do Hollywood Bowl e Mike disse que achava que todos se sentiam “ok, temos ingressos… o que esse show significa?”

– Foi um show super difícil de fazer, o show mais longo que eles haviam tocado tinha em torno de 90 minutos e este teve três horas. “Nós queríamos fazer alguma coisa para trazer toda a comunidade do Linkin Park junta, já que não houve funeral público. Seria algo para celebrar Chester e a comunidade de fãs do Linkin Park.

– As canções do EP ajudaram ele a navegar emocionalmente e logicamente, tudo foi acontecendo. “Não haviam respostas claras para coisas que nos perguntávamos. Algumas canções foram se desenrolando a partir do luto, por que em alguns dias você se sente melhor, como ‘Crossing a Line’, então você percebe que pode sair e ter um dia normal. Eu não estou confinado no meu quarto ou no meu banheiro ou sendo triste.

– O álbum “Post Traumatic” é sobre uma jornada para fora da escuridão. Ele queria que os fãs não ficassem com medo de ir nessa jornada junto com ele.

– “Isso é sobre o medo de não ter o controle sobre nada, eu acho que é um dos piores sentimentos, sentir-se como se você estivesse completamente fora de controle. Eu senti que eu queria ter um proposito.

– “Eu sinto que quando eu falo com os fãs, isto tem sido muito útil em explicar como eu me sinto.

– “Eu queria que os novos vídeos fossem como se eu estivesse no FaceTime ou no Skype com você. Não tinha algo pré-determinado, editado ou um diretor. Eu queria gravar o vídeo de Crossing a Line para ser algo intimo com os fãs.

– “Isso quebrou completamente minha vida profissional. Nós construímos tudo isso como um grupo de seis caras e isso foi confiado ao seis de nós. Então eu pensei ‘isso significa que eu não sou mais um artista?’ Esse tipo de pensamento estranho que você pode ter, e eu tive eles principalmente nos primeiros meses. Enquanto isso acontecia, percebi que, se eu tomasse as rédeas e decidisse explorar, eu poderia navegar sozinho.

– “Eu senti como se eu pudesse recomeçar de novo, não como Fort Minor. E eu estava nervoso quando eu contei aos caras do Linkin Park. Mas eles foram muito favoráveis e eles tem sido assim o tempo todo. Brad me mandou uma mensagem ontem dizendo que ele estava feliz por mim.

– Mike nunca havia feito um álbum como o “Post Traumatic” antes.

– Mike pensa que ele irá começar os seus shows solo apenas consigo mesmo e depois ele deve adicionar mais convidados.

– Mike gostou da ideia de ir nas redes sociais e falar sobre o álbum solo. Diferente com o Linkin Park, que ele teria que mostrar as ideias para os managers, banda, e um monte de outras pessoas. Ele se sente totalmente no controle deste projeto solo.

– Ele realmente gostou de encontrar os fãs e aprender sobre eles e ouvir suas histórias sobre Chester, na gravação do vídeo de Crossing a Line em Hollywood.

– Rick Rubin foi quem falou para o Mike que o Mike próprio já estava produzindo as músicas do Linkin Park, o que foi uma surpresa para ele.

– “Luto é algo pessoal. As coisas que eu tive que dizer foram bem especificas para mim. Eu estava falando com a banda sobre lançar mais coisas do Fort Minor já um ano atrás e eles apoiaram bem a ideia. Mas estas novas músicas estão bastante pessoais.

– O livro com as artes do álbum (art booklet) foram desenhos com traços que ele tem feito nos últimos oito meses. Ele achou que seria divertido não terminar totalemente os desenhos e dar a chance dos fãs concluírem as artes. “A arte realmente limpa minha cabeça, então eu queria colocá-los lá em forma de desenho para que os fãs pudessem experimentar a mesma coisa que eu experimentei.

– Todos estão fazendo suas próprias coisas. Phoenix está fazendo o podcast Member Guest. Rob está fazendo uma jornada de meditação de limpeza vegana, Mike achou que ele está tipo o Jared Leto.

– Mike disse que Chester foi um dos maiores cantores de rock de todos os tempos. Em discussão sobre o futuro do Linkin Park… “Se nós tocarmos uma de nossas músicas e deixar o público cantar as partes do Chester, isso vai ser muito pesado da gente conseguir lidar. Olhando para frente, essas questões precisam ser respondidas e agora eu não tenho essas respostas. Ao sair para o mundo sozinho, estou ansioso para descobrir essas respostas.

– O show em Los Angeles aparentemente será apenas com apenas o Mike, talvez ele adicione membros para shows futuros.

Resumo da entrevista na ALT 98.7:

– A estrada de julho até agora é o começo da história.

– “Nós eramos irmãos, sempre estávamos juntos. A única pessoa que eu passei mais tempo do que com o Chester foi minha esposa.

– Uma das primeiras coisas que ele usa em um momento estressante é a arte. “Oito dias depois da morte do Chester, eu sabia que, se não entrasse no estúdio, sabia que meu medo de fazê-lo só aumentaria, então me forcei a fazê-lo.” “No começo, as músicas eram muito sombrias e mostravam como minha vida estava.

– “Outro dia eu estava falando com Chino (vocalista do Deftones) sobre a morte do baixista da banda, Chi. Ele era nosso amigo. Ele contou uma história sobre uma sessão de fotos para uma revista de rock na Europa, quando o Linkin Park estava fazendo tour com Deftones, e Chester estava atrasado. Chi entrou na sala com a banda, e eles fizeram o ensaio achando que Chi era Chester. O fotografo nunca soube por que Linkin Park era uma banda nova.

– “Tudo parecia fora de controle, eu queria estar no controle, então esta foi minha forma de contar a história que é verdadeira para mim. Eu gravei os videos com a câmera ruim do meu celular.

– “Eu não conseguia acreditar no volume e na intensidade das reações dos fãs em todos os lugares nas semanas após a morte do Chester. Tinham milhares de tributos, memoriais e pessoas aparecendo para cantar nossas canções com flores e balções. Fãs fizeram shows tributos cantando as músicas do Linkin Park.” Mike contou uma história de quando conheceu um fã na gravação do clipe de Crossing a Line em Hollywood, que estava por ali para se apresentar no “The Viper Room” e que tinha um cover do Linkin Park no seu setlist.

– Ele disse que os fãs são ótimos e ele agradece que ninguém tenha vazado a música quando vários fãs apareceram para a gravação do vídeo para ouvir ele performar a música nova.

-”A relação que nós temos com os nossos fãs é tão especial e unica. Esses fãs me levantaram e foram junto comigo nesta caminhada nos últimos oito meses.

– O entrevistador diz que a “atenção” tem estado sob ele e sobre o Linkin Park, mas desde julho ele tem sido bem elegante com os fãs no periodo enquanto estava lidando com o luto.

– Mike fala que ver Dave Grohl se reerguer e criar o Foo Fighters depois do Nirvana é algo inspirador e mostra que isso pode ser feito.

– A demo da música Place to Start era do álbum One More Light. Existia a intenção dela ser a primeira canção do álbum. Depois de Julho, Mike mudou a letra e sentiu que seria um ponto de partida/primeira canção do seu projeto solo.

– Existem algumas colaborações que ainda ele não revelou. Ele tem tido conversas com Dave e Brad. Mike é realmente próximo do Brad e fala sobre Brad ser realmente bom com o arranjo e estrutura das músicas. Então ele enviou algumas músicas para Brad dar uma olhada.

-Ele está constantemente falando com os membros do Linkin Park.

– Ele não sabe quando o Linkin Park irá tocar novamente. Todos estão processando essa experiência diferentemente e agora, um projeto solo é o que ele precisa para lidar com isto.

– Rick Rubin disse para a banda fazer o show no Hollywood Bowl e ainda sugeriu múltiplos shows. A ideia dele era que para a banda tocar nos shows com o público cantando as partes do Chester ao longo da apresentação. Quando a banda ensaiou, eles fizeram isso e Mike sentiu que aquilo era muito difícil para ele suportar ao longo de todo o show, então ele fez isso apenas algumas vezes durante o show em vez de todo o show.

– Ele ainda não fez a setlist para os seus shows ao vivo.

– Ele queria fazer show solo por que seria difícil e ele queria experenciar esse desafio. Aparentemente ele vai trazer algumas pessoas para ajudar ele eventualmente.

– Os fãs sabem que existem muitas demos e canções ainda não lançadas do Linkin Park. A banda estava conversando junto com Talinda sobre essas canções. O “timing” não é bom agora, mas algum dia elas serão lançadas.

Resumo do Live Chat no Instagram:

– Ele sente como se isso fosse sua estreia como artista solo, já que não é algo que faz parte do Linkin Park ou Fort Minor.

– Ligue o rádio ou acesse o canal YouTube para ouvir suas músicas.

O Linkin Park não se desfez. “Nós só não temos respostas para o que fazer agora, seria mais fácil e divertido fazer novas músicas com os caras, mas a grande questão de subir no palco é como fazer isso bem, como vocês esperam e gostariam de ver. Quando nós pensamos nisso eventualmente, nós vamos seguir em frente, mas até lá, todos estamos fazendo nossas próprias coisas.

– Mais shows na Ásia estão sendo marcados.

– A Thousand Suns é um de seus álbuns favoritos e do Chester.

– O material inicial que já foi escrito vem primeiro no álbum (começa em um lugar realmente obscuro) e quase que aparecem em ordem cronológica. “Nothing Makes Sense Anymore” é a mais antiga, então como as coisas evoluem, elas se tornam menos sombrias. Isso começa a ser menos sobre luto, sofrimento, e mais sobre outras questões.

– Continuem votando no WeDemand, para pedir shows do Mike Shinoda. Não se trata de ir aos lugares mais atrativos, é sobre fazer shows que sejam apropriados à demanda (ex: tocar em um grande lugar quando uma pequena plateia vai aparecer). Leste europeu… Rússia… Cazaquistão… Ucrânia estão no topo da lista. Eles estão começando a aparecer na lista  de shows do WeDemand. América Latina é forte. Reino Unido e Estados Unidos são muito dispersos mas o Mike notou as maiores cidades.

– Os caras do LP não vão participar dos shows solo do Mike Shinoda. A banda está conversando muito e tudo está bem, mas o Mike quer fazer isso ele mesmo.

– O vídeo de “Nothing Makes Sense Anymore”…depois que a situação se acalmou, ele conversou sobre no vídeo de “Watching As I Fall”. Ele subiu na colina perto do grande incêndio para fazer filmagens para o vídeo. Provavelmente haverá vídeos para mais músicas.

– Tem colaborações no álbum. “…e isso é tudo que vou dizer sobre isso.“. Mike auto produziu quase todas as músicas. Rob está na música Place To Start, Brad ajudou com algumas estruturas e letras, e alguns outros amigos também participaram.

– Ele ainda está decidindo sobre quais músicas farão parte do álbum. “Se eu mantiver essa música, haverá a guitarra de um amigo“, “Se eu mantiver esta outra músicas, haverá um pouco de produção musical“. “Eu estou dando os retoques finais agora mesmo, só isto será 95% produzido por mim. Eu decidi não mixar eu mesmo desta vez. Manny está mixando o álbum.” “Existem colaboração de outros vocalistas no álbum.

– O disco tem rap, algumas delas são batidas diretas, algumas são rap mais cantados, outras partes são somente de canto. Algumas músicas são pesadas nas batidas, algumas têm mais instrumentação ao vivo. Espere uma grande variedade de coisas no álbum.

”Eu não acho que Looking For An Answer estará no álbum. Eu pensei em colocar, mas não acho que acontecerá neste ponto. Eu provavelmente devo toca-lá num show ao vivo, vá para o show se você quiser ouvi-la, basta um piano e microfone.

– O show ao vivo pode sofrer mudanças. Talvez ele irá fazer um show solo primeiro e depois adicionar músicos.

-Mike verifica as camisas antes delas irem para a gráfica para serem pintadas, para ter certeza que elas são confortáveis e para ser algo que ele vestiria antes de terminá-la e colocá-lá a venda.

-Ele fez a arte para o Post Traumatic junto com Frank Maddocks.

Resumo da sessão de perguntas e respostas no Instagram:

– As músicas do EP começam o álbum, ele queria que o álbum começasse em um lugar sombrio e depois fosse avançando.

– Não deixe de se cadastrar e votar no WeDemand para ajudar Mike a saber onde tocar e o quão grande ele precisa agendar seus shows! A Europa oriental (Russia e Cazaquistão) vem forte e Mike vai começar a agendar esses shows em breve. Então tenha certeza de espalhar a palavra!

– Nenhum membro do Linkin Park irá se juntar ao Mike no palco para esses shows, por que ele sente que precisa fazer isso ele mesmo por agora.

– O vídeo de “Nothing Makes Sense Anymore” foi gravado após o incêndio em Los Angeles. O Caos nas chamas é simbolicamente conectado com o significado da canção.

– Existem colaborações no álbum! Mike teve um pouco de ajuda produzindo as canções (A bateria de Rob em “Place to Start”, Brad ajudou escrevendo um pedaço, etc.), mas é quase todo produzido unicamente pelo Mike. Ele está dando os últimos retoques agora. Ele não está mixando o álbum, Manny Marroquin  (o mesmo que mixou o álbum Living Things) está fazendo isso.

– Existe um mix de “rapping”, canto e ambos ao longo do álbum. Espere um material amplamente variado!

– “Looking For An Answer” provavelmente não estará no álbum. Entretanto, Mike deverá toca-lá em seus shows ao vivo.

– Mike é uma estrela J-Pop. #confirmado

– Mike passa a manhã testando os espaços em branco (não impressos) para a futura loja. A arte será baseada em torno da estética do álbum, o qual ele está trabalhando com Frank Maddocks.

Mike Shinoda vai começar a tour do seu primeiro álbum solo Post Traumatic, na cidade de Los Angeles, no dia 12 de maio. O evento será gratuito.

Fonte: Lplive.net

© 2018, www.linkinparkbrasil.com. O melhor portal de notícias do Linkin park no Brasil

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×

Deixe seu comentário sobre essa Notícia

comentários

Leave a Reply

Your email address will not be published.