0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×

A forma que ouvimos música ao longo dos anos mudou, mas o quanto estamos sacrificando a música para dar lugar a conveniência de hoje? Esse é o tema do novo documentário “Distortion of Sound” (A Distorção do Som – tradução livre), onde músicos e produtores exploram o quão distante estamos da verdadeira experiência de se ouvir música.

O documentário apresenta músicos, produtores e compositores como Mike Shinoda, Slash, Quincy Jones, Snoop Dogg, Kate Nash, Lianne La Havas e Steve Aoki e os produtores musicais Hans Zimmer e AR Rahman, entre outros. Cada pessoa fala suas próprias percepções sobre a perda de som e a experiência que estão tendo com músicas comprimidas por serviços de streaming, como o YouTube, iTunes, Spotify e outros.

O documentário também apresenta dados estatísticos e científicos de como a compactação afeta a experiência da audição. O Slash diz: “Quando você faz um álbum e você está no estúdio e você tem todas as faixas e tudo está bem ali na sua frente, você pode ouvir cada um dos seus instrumentos e você sabe exatamente como que deveria soar. E, para que as músicas sejam lançadas, tudo precisa ser comprimido. Você pensa, porque você colocou todo o seu trabalho ali? Você não ouvê ele assim dessa forma.

No lançamento do documentário que aconteceu dia 10 de Julho, aconteceu uma sessão de Perguntas e Respostas com Mike Shinoda e o diretor Jacob Rosenberg. O diretor falou que o filme “explora esse abismo entre a intenção do artista e a sua audiência“.

Mike falou abertamente sobre a maneira pela qual a maioria das pessoas que ouvem música apenas aceitam o que é mostrado à eles. “Você não iria tolerar se alguém dessa a você uma foto de baixa resolução“, mas com a música é diferente, as pessoas aceitam. Ele falou que, mesmo que o YouTube tenha um botão para melhorar a resolução, a maioria das pessoas apenas deixam na qualidade padrão/default. Quando perguntado sobre porque os artistas não tem pressionado os vários serviços para ouvir música online para fazer as alterações necessárias para ter uma qualidade boa, ele acrescentou que são as pessoas e não os artistas que devem que pedir essa melhoria, pois esses serviços não vão fazer nada até que haja resposta suficiente dos ouvintes, de modo que afetem as vendas desses serviços.

Mike Shinoda postou no seu instagram:

Nessa noite foi a estreia do documentário chamado “A Distorção do Som”, produzido pela Harman, no Grammy Museum, apresentando produtores musiciais como Quincy Jones, Slash, Snoop Dogg, Hans Zimmer e Steve Aoki. Você sabia que virtualmente todas as músicas que escutamos hoje, seja mp3 ou serviços de streaming como YouTube e Spotify, são comprimidas e o áudio degradado que soa muito pouco com a música que a banda ouviu quando estava gravando ela?

Para usar uma analogia: A maioria das pessoas sabem a grande diferença entre uma foto de baixa qualidade e uma de alta qualidade nos seus smartphones. A música que nós ouvimos atualmente é na verdade como uma foto de baixa qualidade, com informações faltando e detalhes desfigurados. Acesse DistortionOfSound.com para assistir.”

10475055_258435944364539_1486773166_n

Foto do @m_shinoda no instagram

 Para assistir o documentário (sem legendas em português), clique aqui. Veja algumas fotos do Mike Shinoda na estreia do documentário, no dia 10 de Julho:
be139d330b0a8f1b590f6a706700efe7

CEO da Harman, Dinesh Paliwal e Mike Shinoda na premiere da Distortion of Sound

53500cb80b008f1b590f6a706700337d

Mike Shinoda na premiere da Distortion of Sound

Fonte: DistortionOfSound | Loudwire | Tradução e Adaptação Linkin Park Brasil.

© 2014, www.linkinparkbrasil.com. O melhor portal de notícias do Linkin park no Brasil

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×

Deixe seu comentário sobre essa Notícia

comentários