0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×

 

O site ImmortalReviews, conhecido pelas suas revisões de álbuns, escreveu sobre o novo álbum no Linkin Park, One More Light, e traduzimos para vocês:

_____________________________

Nos dias de hoje, muitas vezes esquecemos de ajudar a nós mesmos. Estamos tão envolvidos no mundo e nos problemas dos outros que esquecemos os nossos próprios problemas, deixando-os crescer e desenvolver enquanto continuamos a ignorá-los. Mas em algum momento, eles nos engolem, e nos levam para um lugar onde toda a luz se foi.

As vezes, a melhor maneira de nos curarmos quando estamos imersos em um problema é conversar. Pode ser difícil, dizer os milhares de pensamentos que estão na sua cabeça quando você tem tão poucas palavras para explicar. É nesse momento que o Linkin Park entra com seu novo álbum. Esta banda tem enfrentado de tudo, e não quer que as outras pessoas enfrentem o que eles enfrentaram. Em seu novo álbum, eles se concentraram nas letras que nasceram das conversas que tinham uns com os outros sobre a vida. Com a ajuda de alguns dos melhores compositores da música, o Linkin Park nos lembra que somos todos humanos em One More Light.

Antes de discutir o impacto da mensagem do álbum, devemos falar sobre a sonoridade do álbum. Desde o lançamento do primeiro single do álbum, a banda tem recebido um monte de reclamações sobre a abordagem mais pop das novas músicas. Em vez de defender ou se opor ao som, eu vou fazer uma pergunta, para você responder a si mesmo: em que ponto gênero signfica qualidade? Ou seja, em que momento uma música é considerada boa ou ruim só por causa do gênero? O que é realmente importante em uma música? Depois de responder a estas perguntas, esteja preparado para enfrentar um mundo inteiro de músicas que estão disponíveis para você.

Quando você está se afogando em um abismo de tristeza, muitas vezes o que você vai fazer é mascarar sua tristeza com um falso otimismo. Essa idéia é exatamente como One More Light começa, o tom otimista de Nobody Can Save Me está omitindo a tristeza. A música tem um tom positivo: a introdução no vocal, a guitarra de Brad Delson, os sintetizadores e as melodias de Chester Bennington têm um tom feliz, mas quando você repara nas letras, você vê que é exatamente o oposto. As primeiras frases do álbum são “Eu estou dançando com meus demônios / estou no meu limite / nuvens de tempestade se acumulam debaixo de mim“, como Chester explica, ele está no limite. O refrão é ainda mais sombrio “Mas ninguém pode me salvar agora / Estou segurando uma luz / Estou caçando a minha escuridão interna.” O final muda de tom com uma única palavra, agora afirmando que “só eu posso me salvar agora“, significando que a única pessoa que resta para ajudá-lo é ele mesmo.

No entando, One More Light não é sobre salvar a si mesmo. É sobre perceber que você não está sozinho, não importa quem você é. Essa idéia é expressa claramente em Heavy, o dueto entre Chester e Kiiara tendo um significado chave para o álbum. Chester canta com um tom sombrio enquanto os acordes sombrios de sintetizadores introduzem a música, junto com seu abuso de drogas e álcool dando as frases “Eu continuo carregando comigo o que me derruba / Se eu apenas soltasse, eu ficaria livre / Por que tudo é tão pesado?” uma realidade muito forte. Kiiara se une à música, mesmo com a grande diferença de idade, podem enfrentar os mesmos problemas. À medida que os dois vocais se reúnem na ponte da música, eles chegam à conclusão de que nunca tiveram que lutar sozinhos; Eles sempre tiveram um ao outro, duas pessoas que sabiam a dor do outro. À medida que a música explode com um clímax emocional poderoso, guiado por guitarra, seu vínculo recém-feito serve como a chave para sua cura.

Halfway Right tem uma ideia parecida, onde as melodias sonhadoras de Chester servem como uma mensagem para o seu eu mais novo, alertando-o sobre os tempos difíceis que virão pela frente. Ele explica que é uma batalha que ele nunca poderia vencer sozinho, mas não há ninguém para lutar com ele, cantando: “Eu grito comigo mesmo quando não há mais ninguém para lutar / Eu não perco, eu não ganho / Se eu estou errado, então eu estou meio certo“.

Chester também reflete sobre o seu passado na útima música do álbum Sharp Edges, a faixa pop folk onde ele gostaria de ter ouvido os conselhos dos seus pais, cantando “Nunca escutei quando ela disse que extremidades afiadas têm consequências, eu acho que tinha que descobrir por mim mesmo / extremidades afiadas têm consequências / Agora cada cicatriz é uma história que posso contar” com uma melodia groovy. Embora não tenha uma qualidade de conclusão definindo, Sharp Edges nos lembra de ter em mente as bases do nosso crescimento, e as pessoas que nos amam sempre terão as respostas para nos curar.

Nem todas as lutas são nossas, segundo Talking To Myself. Acentuado por guitarras alternativas e uma base funk dando muita energia, e, mesmo que a mensagem não seja otimista, ela se encaixa muito bem. A música vem da perspectiva da esposa do Chester, e a dor que sentiu ao olhar ele sofrer com seus tempos mais obscuros, se sentindo impotente. O mesmo sentimento de desamparo é o tema da balada pop rock Battle Symphony. Mas, em vez de falar de impotência, lembra que mesmo quando parece que tudo está perdido, sempre existem pessoas que estarão lá por você. O coro canta: “Eu ouço a minha sinfonia de batalha / Todo o mundo à minha frente / Se a minha armadura quebrar / Eu vou reconstruí-la“. Ele implora: “Por favor, não desista de mim“, antes de realmente sentir o amor, e termina a música com “meus olhos estão bem acordados“. Energia como esta é canalizada em Good Goodbye, onde, com a ajuda de Pusha T e Stormzy, a banda constrói sobre uma sensação de tentar ser rebaixado enquanto estão no topo do seu jogo.

Nem todas as músicas são sobre eles mesmos, e nem todas as músicas são sobre a cura de nossos próprios problemas. Algumas são sobre ajudar os outros, como a poderosa faixa Invisível. Mike Shinoda toma a liderança dessa música, com sua melodia doce. A faixa é destinada a seus filhos, e ele pede desculpas por todas as lutas futuras que terão. Para qualquer pai, é natural que haja desentendimentos com seus filhos, e Mike coloca todas essas lutas nas palavras perfeitas no pré-refrão: “Eu não estava bravo com você / eu não estava tentando te derrubar / As palavras que eu poderia ter usado / eu estava com muito medo de dizer em voz alta.” Através de todos os desentendimentos que possam ter, no final de tudo, Mike estará lá até o fim: “Se eu não posso parar a sua queda / Eu vou te levantar do chão / Se você se sentia invisível / Não vou deixar você sentir isso agora.

Mike continua sua mensagem para seus filhos em Sorry For Now, a música onde o som pop da banda chega à perfeição. A introdução de guitarra é fantasticamente particionada, e Mike chega com uma bela melodia. Mike vem cantando “Então vou me arrepender por agora / Que não pude estar por perto / Às vezes as coisas se recusam / A seguir o caminho que planejamos.” Em vez de se desculpar com seus filhos sobre conflitos, Mike fala sobre os sacrifícios que ele está fazendo para eles, esperando que “Haverá um dia que você vai entender.” Chester entra na música fazendo um rap na ponte da música. Quando o refrão chega no final, Mike leva as coisas para outro rumo, mostrando uma das suas melhores performances vocais, admitindo que ele gostaria de passar mais tempo com os filhos, cantando “Há coisas que temos que fazer que mal suportamos.” A forma como ele termina, cantando no final “você vai entender” é pura emoção, o canto e o lamento é um dos pontos altos do álbum.

Um dos momentos mais devastadores de nossas vidas são quando perdemos alguém importante para nós. À medida que tentamos lidar com a nossa perda, somos lembrados por outras pessoas que poderia ter sido pior, que é uma perda pequena. Mas elas não entendem o que você realmente perdeu. Você perde a chance de falar para essa pessoa o quanto ela significa para você, você perdeu a chance de criar novas lembranças com ela, você perdeu a chance de ter mais uma conversa com ela. É aí que entra a música One More Light. A música trata de perder um amigo próximo e nos lembra de deixar as pessoas se aproximar de nós e mostrar o quanto são importantes. Chester faz uma das performances mais emocionantes da discografia da banda, tragicamente pedindo no primeiro verso “Posso te ajudar, a não machucar mais” então lembrando “Vimos brilho, quando o mundo estava adormecido / Existem coisas que podemos ter, mas não podemos manter.” Muitas lembranças sóbrias aparecem com essa música, como “Os lembretes, tiram o chão dos seus pés / Na cozinha, uma cadeira a mais do que você precisa.” Em vez de trazer a mensagem para esquecer a perda, Chester garante “E você está com raiva, e deveria estar, não é justo. Só porque você não pode ver, não significa que não está lá.“. É o momento mais poderoso do álbum, Chester cantando “Quem se importa se mais uma luz se apagar? Em um céu de um milhão de estrelas“, o piano e a guitarra o apóiam maravilhosamente, e o Chester promete “Eu me importo.

Seja o Linkin Park nos alertando sobre o estado da humanidade (em Minutes To Midnight) ou até mesmo sobre ameaça de guerra nuclear (em A Thousand Suns), eles estão sempre compartilhando uma mensagem importante. Eles compartilharam o que talvez seja o mais importante de toda sua carreira até agora com seu novo álbum. Mais importante ainda, eles não são a mesma banda que criaram o Hybrid Theory e Meteora. Eles evoluíram e cresceram como pessoas, como se estivessem ao nosso lado o tempo todo. Em um mundo onde é tão fácil esquecer de nós mesmos, o Linkin Park nos lembra que somos todos humanos em One More Light. Nunca houve um álbum que o mundo precisasse mais do que esse. Sempre que você precisar, essas músicas estarão aqui para você, e quando tudo tiver desmoronando, One More Light irá lembrá-lo de que alguém sempre estará lá para você. Não há mensagem mais forte do que isso.

Fonte: ImmortalReviews

© 2017 - 2019, www.linkinparkbrasil.com. O melhor portal de notícias do Linkin park no Brasil

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×

Deixe seu comentário sobre essa Notícia

comentários