This post has already been read 715 times!

No dia 14  de Maio de 2007, o mundo se preparava para receber o que seria o álbum mais revolucionário do Linkin Park . O Linkin Park já estava há alguns anos sem lançar um álbum de inéditas. Seu último trabalho havia sido o Meteora em 2003 e eles já estavam prometendo algo novo desde os meados de 2oo5.

( Escute enquanto você lê a matéria)

O álbum primeiramente seria lançado em 2oo6, mas essa ideia foi “abortada” pela banda, até hoje não há uma explicação oficial. Boatos dizem que Mike não estava ainda satisfeito com o som que a banda havia feito. Boatos ou não, o MTM chegou em 2007, rodeado de expectativas pois era nada mais nada menos que o grandioso Linkin Park voltando às paradas para um novo trabalho de músicas inéditas.

Rick Rubin – Produtor Musical

As mudanças já começaram com a produção, os caras não estavam mais trabalhando com o produtor Don Gilmore e deram espaço para o barbudo e multi premiado Rick Rubin. Rick topou a ideia sobre a “mudança” da banda e encarou com força total o novo momento. Durante a produção do novo álbum Rick já alertava a banda dos riscos de uma mudança, o que para o próprio Rick gerava desconforto devido ao grande sucesso dos trabalhos anteriores da banda.

A banda já havia decidido que este seria o álbum “divisor de águas” para eles, e também, para os fãs. Eles usaram a casa do próprio Rick, chamada The Mansion, para a gravação do novo material. Segundo eles a decisão de fazer o álbum no estúdio particular de Rick foi tomada para que eles pudessem se entregar por completo ao novo projeto.

 

mike

Mike Shinoda dizia que o desafio do novo som era a inspiração na medida certa

O  Linkin Park começava a trilhar um novo rumo, sempre escondendo da mídia o que eles realmente estavam fazendo, como um meio de surpreender ainda mais a crítica que estava à espera desse tão inovador som que eles diziam estarem fazendo.

No dia 2 de Abril de 2007 eles voltaram as paradas e assustaram “do bom modo” o mundo. What I’ve Done chegava às rádios e aos fãs com a complicada missão de mostrar ao mundo o tão esperado novo Linkin Park, e mostrando que a banda não era fixa em um único gênero. A recepção dessa música dividiu críticas: ” Isso é mesmo Linkin Park?” alguns fãs se perguntaram, mas parece que era exatamente isso era a banda queria.

cnes
O Linkin Park mostrava que não vivem só de berros e rap, eles queriam mostrar que eram capazes de mudar e se reinventar. Queriam gritar para o mundo que eles eram maduros o suficiente para entender os riscos da mudança, e que não queriam cair na mesmice.

 Track list do álbum:
01. Wake
02. Given Up
03. Leave Out All The Rest
04. Bleed it Out
05. Shadow of The Day
06. What I’ve Done
07. Hands Held High
08. No More Sorrow
09. Valentine’s Day
10. In Between
11. In Pieces
12. The Little Things Give You Away

Participação de cada integrante no álbum:

  • Mike Shinoda: Vocal nas faixas 4, 7, 10 e 12. Guitarra rítmica em todas as faixas, exceto 3, 5, 7 e 10. Violão na faixa 12, teclado em todas as faixas, exceto 1, 2, 4, 7 e 8;
  • Chester Bennington: Vocal em todas as faixas, exceto 7 e 10. Guitarra rítmica na faixa 5;
  • Brad Delson: Guitarra solo em todas as faixas. Teclado na faixa 7;
  • Rob Bourdon: Bateria em todas as faixas;
  • Dave Farrell (Phoenix): Baixo em todas as faixa. Vocal de apoio na faixa 12;
  • Joe Hahn: Programação em todas as faixas. Samples nas faixas 3, 4, 5 e 11. Fonógrafo nas faixas 6 e 11;

Capa do álbum

Quando a critica e os fãs puderam desfrutar de todo o álbum, opiniões divergiram a respeito dele. Alguns estavam amando o novo som, porém outros odiando e deixando de ser fã da banda. Algumas pessoas mais exaltadas diziam que era o fim do Linkin Park, que a originalidade da banda havia acabado.

Opiniões à parte, não se pode negar o grande sucesso do álbum, que chegou de formar arrasadora as lojas de todo o mundo. O álbum foi o mais vendi de 2007 em sua categoria, desbancando todas as más criticas que atormentavam a banda. A banda dizia para os fãs ouvirem o álbum 2 ou 3 vezes para sentirem toda a potência musical nele existente, para que pudessem absorver o que a banda sentia no momento em que fazia o álbum.

posição

A banda cedeu uma entrevista ao Fantástico, na Rede Globo, para dizer como eles escaparam das repetições.

 ” As vezes nos estúdio nós pensávamos, isso não parece Linkin Park” – Mike Shinoda

Mas com todos esses desafios, a banda conseguiu criar um álbum magnífico, que até hoje emociona todos que o escutam. Um álbum que atraiu mais novos fãs, do que perdeu. E temos a certeza de que a banda ganhou musicalmente com essa coragem de inovar e mostrar que eles sim, são uma banda híbrida de verdade.

Imagem do CD

Singles

  1. “What I’ve Done”
    Lançamento: 2 de abril de 2007
  2. “Bleed It Out”
    Lançamento: 20 de agosto de 200710
  3. “Shadow of the Day”
    Lançamento: 16 de outubro de 2007
  4. “Given Up”
    Lançamento: 3 de março de 2008
  5. “Leave Out All the Rest”
    Lançamento: 14 de julho de 2008

© 2014, www.linkinparkbrasil.com. O melhor portal de notícias do Linkin park no Brasil

Deixe seu comentário sobre essa Notícia

comentários